terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Isaias 13:12

O cara foi bonzinho a vida inteira. Só fez o bem, sempre respeitou seu semelhante e tinha a educação e a gentileza como parte do seu código genético.
Um dia ele morreu num acidente idiota e foi pro céu. Chegando lá, a fila era interminável, pois naquela primeira triagem que Deus fazia, ainda não era possível distinguir quem seria merecedor do paraíso ou não.
O problema é que durante a espera naquela fila pra ser atendido e despachado, os maus elementos, assassinos, estupradores e etc, começaram a barbarizar já durante a espera.
Nesse panorama, apóstolos ex-alcoolatras, cardeais pedófilos e todo tipo de autoridade acolhida por deus, começou a discutir uma forma de sanar aquele problemão. Tentaram pedir ajuda até para os ex-policiais, mas naquela altura todos já tinham se assumido como ladrões, pois lá no céu a corregedoria não tinha mais força.
Enquanto isso, aquele cara que tinha ido parar ali sem nem ter entendido direito a razão de sua morte, já tinha levado uma surra de uma ex-torcida de time de futebol, ex-alunos da Usp já tinham raspado a sua cabeça, e todas as suas ex-namoradas já tinham passado por ele pra falar "oi" e reclamar de como ele era ruim de cama.
Foi então que Deus, do alto da sua experiência e sabedoria, tomou uma decisão. Ele ordenou que todo e qualquer tipo de mau elemento tivesse preferência total no atendimento e no despacho. Já que o quanto antes se tirasse todo aquele bando de animais da fila, ela retornaria mais rápido a ser simplesmente mais uma fila sonolenta e demorada, como as implantadas na terra. Assim, todos aqueles pais de família, mães que trataram de filhos excepcionais, deficientes físicos e pessoas honestas em geral, foram mandados sem a menor justificativa para o final da fila, comprovando pela ultima e derradeira vez que "os bonzinhos só se fodem" até no céu.

2 comentários:

KAKA disse...

pois é! até no céu! bjim

Sandra disse...

A distância entre bonzinho e bobinho é mesmo muito tênue... bj